"AJUDANDO OS PAIS A ENTENDEREM MELHOR SEUS FILHOS. PAIS INFORMADOS. FILHOS MAIS FELIZES."





"A educação exige os maiores cuidados, porque influi sobre toda a vida". (Sêneca)





"A educação é o que resta depois de ter esquecido tudo que se aprendeu na escola". (Albert Einstein)






"Talvez a essência da educação não seja entupi-los de fatos, e sim ajudá-los a descobrir a sua singularidade, ensinar-lhes a desenvolvê-la e depois mostrar-lhes como doá-la". (Leo Buscaglia)





****Os textos publicados no blog são próprios, de outros sites, revistas, livros e devidamente identificados com o nome de seus autores.****




****Todos os links e arquivos que se encontram no blog, estão hospedados na própria internet, somente indicado aonde se encontram, não hospedamos nenhum cd, livros ou programas que seja de distribuição ilegal. - O dono do blog não tem responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que irá utilizá-los.****


quinta-feira, 21 de outubro de 2010

O dodói vai passar



Por Luciana Schmidt


Fonte: Revista Baby & Cia, ed.17



Basta a mamãe ouvir o choro de dor de um filho para identificá-lo imediatamente e sentir junto com ele o mesmo desconforto. Joana conhece bem essa história. Nos primeiros três meses de vida da filha, ela praticamente não dormiu, tentando acalmar Julia no berço. “O médico me explicou que era cólica, e que, com o passar dos meses, a situação deveria melhorar”, conta Joana. Luiza quase chorou junto com a filha quando viu a pequena Carolina ter a primeira dor de garganta. “Foi de partir o coração. Mesmo com todos os cuidados, ela acabou pegando uma virose. Fui ao médico e voltei com uma receita na mão”, relembra a mamãe. Relatos assim são comuns. O remédio em mãos e as dúvidas continuam.



Pais de primeira viagem têm muita dificuldade de saber como proceder quando a saúde de seus filhos depende de uma medicação, principalmente se eles ainda forem nenês. Por isso, procuramos o pediatra Marco Antonio Iazzetti para esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto. Confira!



Depois de visitar o pediatra e dos pais se certificarem da necessidade do remédio, como fazer para o bebê engolir a medicação? Existe uma posição mais indicada para acomodar o pequeno?



O bebê deve ficar sempre sentado ou em pé (nunca deitado) para que o medicamento desça por gravidade, lentamente, e não haja risco de engasgo. Após pegar o volume prescrito com o dosador fornecido pelo laboratório fabricante da medicação, a mãe pode passar o conteúdo para uma seringa e colocar a seringa na lateral da boca e liberar o líquido lentamente.



E no caso de comprimidos?



Os comprimidos raramente são prescritos aos bebês. Porém, em alguns casos, a medicação só existe nesse formato, que é o caso, por exemplo, de alguns diuréticos. Nessa situação, pode-se utilizar os serviços de farmácias de manipulação (conceituadas, de preferência) e verificar a possibilidade de se produzir o medicamento em forma de solução. Caso não seja possível, o médico pode ensinar a mãe a diluir o comprimido e, dessa solução, oferecer ao bebê a dosagem correta.



Pode misturar remédios com alguma bebida para disfarçar o gosto ruim?



Não é recomendado utilizar bebidas para disfarçar o gosto, porque pode haver mudanças no pH da medicação, alterando sua disponibilidade ao organismo.



Qual o mais indicado: colher ou dosador?



O dosador sempre é o mais indicado, pelo fato de ser próprio para a medicação. As colheres são muito variáveis nas formas e nos volumes, o que pode implicar em doses excessivas ou insuficientes. Lembro também de que não se deve utilizar o dosador de um medicamento em outro, pois todo remédio tem o seu respectivo dosador, que difere pela quantidade de substância a ser ingerida.



Os remédios devem ser tomados antes ou depois da amamentação? Por quê?



Isso varia conforme o medicamento prescrito. Alguns devem ser oferecidos em jejum e outros, com estômago cheio. Sempre pergunte ao seu médico e veja as orientações do laboratório fabricante.



Dicas:



➜ Toda medicação deve ficar fora do alcance das crianças, de preferência, em armários fechados com chave;



➜ Nunca ofereça medicação sem a orientação do seu médico;



➜ Não se esqueça de verificar os prazos de validade, assim como o modo de armazenamento (alguns medicamentos necessitam de refrigeração);



➜ Nunca deixe o seu filho tomar medicamento sem a supervisão de um adulto;



➜ Explique sempre ao seu filho (se ele for um pouco maior) sobre a importância do medicamento. Se tiver gosto ruim, explique que é necessário. Dê água logo em seguida para amenizar a sensação ruim;



➜ Se a criança se recusar a tomar o remédio, insista e seja firme. Lembre-se de que se trata da saúde de seu bem mais precioso. Acredite que você está fazendo o melhor. Na dúvida, mamãe, escute a opinião de outro médico.

0 comentários: